20/12/13

O voo TP 607

Bruxelas faz uma peregrinação semanal de louvor a certos e determinados deuses.
Todas as 5ª feiras a peregrinação dirige-se pelas ruas da cidade em direcção ao aeroporto.
Os peregrinos seguem de carro, trajam de cerimónia e carregam pastas negras como adereço indispensável.
Eles e elas amam os deuses que guiaram a mão do povo.
São os deputados europeus, os nossos deputados europeus.

Desfeita a peregrinação, o caminho de casa é feito no voo TP 607.
Capoulas Santos e Edite Estrela, separados do povo por um cortinado pouco socialista.
Alimentação e tratamento especial, porque 2 dias de trabalho dourado deixaram-nos esgotados.

Mais atrás, arriscando a vida no meio do povo, a Ministra das Finanças do PSD mas não do país.
Entre ela e o povo, uma cortina de assessores ou quejandos.
Os quejandos falam alto sobre assuntos que o povo perceba - avó que faz massa sovada e bolos lêvedos, etc.
O povo sente-se mais próximo destes do que dos outros.
Passos Coelho mandou os governantes para a classe popular. A direita é vesga mas não é parva.
Para retalhar o povo é preciso ganhar-lhe a confiança.
Os deputados europeus, neste caso socialistas, só precisam de descer ao povo dentro de alguns meses.
Durante o próximo período eleitoral, voltarão  a estender a mão para renovarem o bilhete executive para Bruxelas.

O voo TP 607 desapareceu do radar da democracia. Mudará o rumo quando o povo acordar!

Sem comentários:

Contador

A revolta da chibata (ver primeiro post sobre o tema)

Loading...

O poder da mente

O poder da mente
Nós os iluminados

Arquivo do blogue

A vitória do Ponto e Vírgula

Ressuscitemos a célebre exclamação - "Isso agora, ponto e vírgula".
Esta frase de cariz popular, representava uma forma simbólica de dizer que levantava muitas objecções e exigia explicações a algo que lhe merecia desconfiança.
Regresse o "ponto e vírgula" como forma de dizer BASTA!

Apareçam sempre por aqui!

Na dita Madeira profunda

Na dita Madeira profunda
Bela homenagem (Março 2004)