28/09/11

Não fiquem nesta estação, madeirenses

Justifico a ausência do Furia do Cajado:

Tenho andado a pesquisar o trabalho desenvolvido pelos governos de Cardoso Jardim, escondido pelas construções monumentais, numa saudosista política de perpetuar o poder

part1.07060900.09030308@netcabo.pt

17/09/11

Amor sem limite

Há quem pense que a Madeira virou uma imensa SEX SHOP.
Duvidamos do seu sucesso. Esperemos que em Outubro vá à falência.

Cardoso Jardim, o grande alimentador desta sex shop, montou um gigantesco cenário onde abusou da maioria dos madeirenses.
De todos? Não, esta mega sex shop abastecia também alguns seres superiores com eróticos meios de gozo para se saciarem à fartazana em alguns insufláveis madeirenses.

Cardoso Jardim escondeu (debaixo da cama?) 1113 milhões de euros durante 3 anos.
Daí pode resultar uma violentíssima multa de 25 mil euros.
"Oh JR, dá aí 50 mil a esses gajos e abusa tu também!"

O mesmo Cardoso Jardim chama mentiroso ao 1º Ministro.
«O continente vai estar entretido a contar mentiras" quando Passos Coelho diz tratar-se de «uma irregularidade grave»

Engraçado, porque Passos Coelho também parece andar a rondar a dita Sex Shop, na medida em que se prepara para abusar da nossa paciência, quando espantosamente diz que «o executivo já está a elaborar legislação para que o caso não se repita»!!!!!!!
Sado-masoquismo ou mero estupro da nossa inteligência?

PSD também rejeita retirar a confiança política ao impoluto Cardoso Jardim.
Motivos?
- Sócrates fez o mesmo com as contas nacionais em 2010 (esta justificação é um alívio para nós)
- A retirada da confiança política por parte de Passos Coelho, é, segundo o próprio, uma questão do ... PSD/M e do eleitorado (Magnífico! Sai uma coleira e umas algemas para a sessão do Pedro)

Bem, tudo isto vem confirmar a teoria da cobardia política.
Quando eu era um dos amordaçados, por estatutariamente não poder falar, os mais altos dirigentes políticos explicavam-me que qualquer medida de demissão de Cardoso Jardim redundava num disparar da sua popularidade política.
Mesmo assim, alguém os obrigava (obriga) a pagar as suas disparatadas dívidas enterradas em megalómanas obras do regime?
Estranha forma de defender a Democracia, comprando alguns dos seus principais profanadores.

Querem apostar que, na actual conjuntura da Madeira, Cardoso Jardim já anda a rebuscar nos baús o espantalho da independência, para acenar aos políticos frouxos e incapazes?
Para esses, não há Sex Shop que lhes valha!

14/09/11

Pedro Osório está muito doente

Caros amigos,

Acabei de me estrear a fazer e montar um video. É um video-clip sobre
uma música de um disco meu que está para sair.

Coloquei-o no Youtube e, como sabem, só acima de um certo número de
visionamentos é que ele aparece nos motores de busca.

Peço-vos então que visitem este endereço
http://www.youtube.com/watch?v=FyRUwKUigMo

Talvez não se aborreçam e, se tal acontecer, por favor passem aos
vossos amigos.

Aqui fica desde já o meu agradecimento.

Pedro Osório

13/09/11

Para quando um ajuste de contas?

Cardoso Jardim considera-se alvo da fúria do poder financeiro

Continuará também a ser alvo da ... Fúria do Cajado. Com todo o gosto!

Vejamos então o que diz o Tribunal de Contas sobre a vítima da fúria.
Para quebrar a monotonia do palácio, Cardoso Jardim entendeu promover as Comemorações do V Centenário da Cidade do Funchal.
Mas, é claro, tinha de ser ... "tudo à grande" ... e em "ajuste directo" para os fins tidos por convenientes (para alguns)
Em 4 anos gastaram-se 5,9 milhões de euros, qualquer coisa como 75% superior ao previsto.

O sócio-gerente da empresa com quem a Câmara Municipal do Funchal celebrou contratos de prestação de serviços no âmbito das Comemorações, foi igualmente nomeado Comissário Executivo da Funchal 500 Anos. Promiscuidade, diz-se noutros lugares remotos.

"Concorrência" foi sempre uma prostituta com entrada proibida no palácio. Em compensação "ajuste directo" passou por vários braços no Baile do Regabofe. A velha monotonia de sempre.

EU REPRESENTO A POPULAÇÃO.
EU AJO EM NOME DA POPULAÇÃO.
ASSIM É QUE É A DEMOCRACIA!

Cardoso Jardim


08/09/11

A boca e o dedo


O dedo de Cardoso Jardim no Parlamento da República, Guilherme Silva, diz que não convém haver precipitações e avaliar as contas do GR antes das eleições.
A escuridão sempre foi amiga de Cardoso Jardim. Convém manter a tradição ...

O consumo das famílias portuguesas na cauda da Europa

Estaremos no bom caminho?
Os dados do PIB português, do 2º trimestre deste ano relativamente ao mesmo trimestre de 2010, são os piores da União Europeia. Isto considerando que a Grécia já deve ter desistido de sobreviver aos tubarões.
O resto é propaganda ... e da má!

07/09/11

Pode ser tarde demais

 «Vamos ter de cortar em gorduras e de poupar. O Estado vai ter de fazer austeridade, basta de aplicá-la só aos cidadãos.»


Passos Coelho não fez esta afirmação quando era um menino da JSD, fê-lo já como candidato a 1º Ministro.


Agora, afirmam que cortes nas despesas exigem tempo.


Como, genericamente, os candidatos eleitorais sentem que, impunemente, podem prometer o que acham que for mais rentável, também apregoou:
 «Se formos Governo, posso garantir que não será necessário despedir pessoas nem cortar mais salários para sanear o sistema português.»


Eles acham que o pessoal aguenta ...


Pode é ser tarde demais!



02/09/11

239 euros belgas


Imagine-se um belga com 1 semana disponível.
Há quem insista com ele para que, a troco de 239 euritos, usufrua do seguinte:
- passagem de avião Bruxelas/Tunisia/Bruxelas
- 1 semana num quartinho que não é propriamente do tamanho do camarote do comandante de um submarino

- 1 semana de Tudo Incluído !!!!

Pelo mesmo valor, se o mesmo belga for jantar ao "Comme Chez Soi" (para não ter de ir "mal vestido") em Bruxelas e pedir 1Beef fillet with black truffles, só pode levar a mulher se ela aceitar beberem uma cerveja para dois ... o que receio não faça parte do idioma da casa!


01/09/11

Motoserra corta-nos a educação


Furia do Cajado apoia professores indignados

O MAIOR DESPEDIMENTO DA HISTÓRIA DO ENSINO

Sem professores não há escola pública de qualidade. Dezenas de milhares de docentes vão ser afastados em Setembro devido aos cortes irresponsáveis impostos às escolas. As consequências serão turmas maiores e menos apoios educativos.

A redução radical do crédito de horas destinadas a projectos escolares e os cortes orçamentais ameaçam a qualidade da escola pública. Os professores que ficarem terão ainda mais trabalho e menos salário. Muitos de nós, contratados, que toda uma vida profissional saltámos de escola em escola, sempre deixados de fora da carreira, seremos empurrados da precariedade para o desemprego (http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1849014). Este mega-despedimento ataca os nossos direitos mas também a escola pública como parte da democracia.

Dizem-nos que a culpa é da dívida. Mas não fomos nós - professores precários que se sacrificaram anos a fio – que fizemos essa dívida. Cabe a quem brincou com a economia do país e engordou com a crise assumir as suas responsabilidades. Nem os professores, nem a escola, nem os alunos devem pagar essa conta. Em vez de nos lançar na crise, é preciso investir na Escola para o país superar a crise.

Somos professores, somos precários. Em nome dos alunos e do seu sucesso, não baixamos os braços. Em Setembro, varridos das escolas, iremos para a rua. Aqui, solidários com cada escola amputada, estaremos em protesto.

RECUSAMOS O DESEMPREGO
SOMOS INDISPENSÁVEIS
VAMOS SALVAR A ESCOLA PÚBLICA

Professores indignados







Contador

A revolta da chibata (ver primeiro post sobre o tema)

Loading...

O poder da mente

O poder da mente
Nós os iluminados

Arquivo do blogue

A vitória do Ponto e Vírgula

Ressuscitemos a célebre exclamação - "Isso agora, ponto e vírgula".
Esta frase de cariz popular, representava uma forma simbólica de dizer que levantava muitas objecções e exigia explicações a algo que lhe merecia desconfiança.
Regresse o "ponto e vírgula" como forma de dizer BASTA!

Apareçam sempre por aqui!

Na dita Madeira profunda

Na dita Madeira profunda
Bela homenagem (Março 2004)